Notícias

< Volta para Notícias

Empregada receberá por período que ficou afastada do trabalho e não recebeu auxílio-doença do INSS

02 de Junho de 2020 - Direitos Trabalhistas

Durante período de aproximadamente um ano, ex-funcionária da Liq Corp S.A. ficou afastada de suas funções por determinação do médico da própria empresa. Sendo encaminhada ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), no entanto, ela foi liberada para o serviço e não teve estendido o auxílio-doença que até então recebia. Porém, a empresa não permitiu o retorno dela ao trabalho, alegando que iria recorrer da decisão do órgão previdenciário. Por conta disso, a trabalhadora ficou sem auxílio e sem salário. Sentindo-se lesada, ela ingressou com ação no Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (PE).

Em sede recursal, a matéria foi apreciada pela Primeira Turma. Os magistrados foram unânimes em afirmar que a empresa devia sim os valores referentes ao tempo do afastamento. Como destacou o relator do voto, o desembargador Ivan Valença, “(…) não se pode esquecer que apenas a concessão do benefício previdenciário é capaz de afastar a responsabilidade da empresa pelo pagamento dos salários de seu empregado, já que, enquanto o trabalhador aguarda a resposta do órgão previdenciário, permanece à disposição de seu empregador (contrato em vigor)”.

De fato, de acordo com o artigo 476 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), quando se está recebendo o auxílio-doença, o contrato de trabalho é suspenso e a empresa não precisa pagar o salário. Mas, com o fim do benefício, todas as obrigações são retomadas pelo empregador. E a concessão ou não do auxílio é uma decisão a ser tomada pelo órgão previdenciário e não por quem emprega.

Então, no caso concreto da ex-empregada da Liq, a empresa, diante do posicionamento favorável ao retorno para o trabalho, dado pelo INSS, não poderia deixar de pagar os salários sob o período não coberto pelo auxílio-doença. Dessa forma, foi decidido pelos desembargadores manter o posicionamento da 10ª Vara do Trabalho do Recife, exigindo o pagamento dos salários referentes ao período em que a empresa dispensou a funcionária, mesmo ela não recebendo o auxílio-doença.

Fonte: TRT da 6ª Região


< Volta para Notícias

Notícias Relacionadas

  • 31/07/2020

    Microempresa é condenada por reter carteira de empregada durante nove meses

    Saiba mais
  • 01/07/2020

    Alteração do nome da função exercida por bancário não afasta critério do adicional de incorporação

    Saiba mais
  • 25/06/2020

    Bancário vai receber indenização por dano material com benefício previdenciário

    Saiba mais
  • 16/06/2020

    Horas extras não quitadas justificam rescisão indireta de contrato de trabalho

    Saiba mais
  • 26/05/2020

    Tesoureira executiva da CEF receberá horas extras

    Saiba mais
  • 22/05/2020

    Redução do percentual das comissões de bancário é considerada ilícita

    Saiba mais